sábado, 22 de maio de 2010

Por que usar o Linux?

Com certeza você já deve ter ouvido falar no Linux. Com mais certeza ainda, aposto que você já ouviu falar que Linux é muito complicado, difícil, feioso, limitado e outras frases desse tipo.

Já faz tempo que os computadores deixaram de ser uma ferramenta confinada apenas ao universo corporativo. No mundo atual os computadores disputam com geladeiras, fogões e televisores a lista de utilidades indispensáveis numa casa. Vivemos num mundo dominado por essas máquinas fantásticas. Os computadores estão por todos os lados para onde quer que você olhe há um computador ou pelo menos um chip.

Geralmente o termo mais comum ao ouvir falar sobre computadores é "Microsoft" e "Windows". Não é por menos. A Microsoft, empresa norte-americana que produz o famoso sistema operacional Windows domina cerca de 90% de todos os micros do planeta. Por possuir uma fatia tão grande no mercado, poderíamos perguntar o seguinte: esse fato não seria uma prova de que o sistema Windows é o melhor sistema operacional que existe? A resposta é não. Não necessariamente.



Para esclarecer essa questão, entendo ser importante mencionar como se deu o início de tudo e a ascensão do Windows. Em 1975 a recém criada Microsoft era uma pequena e desconhecida empresa, fundada pelos jovens Bill Gates e Paul Allen, cujo objetivo era o de desenvolver um software para o computador Altair 8800 da IBM. A Microsoft além de não possuir um sistema completo, a interface baseada em linhas de comando de texto (o MS-DOS) não conseguia chamar muita atenção. Na mesma época outros dois jovens - Steve Jobs e Steve Wozniak – já faziam sucesso com algo que realmente atraia todos os olhares. Tratava-se do Apple. O sucesso do protótipo do computador que eles haviam criado nos fundos de uma garagem foi tanto que decidiram abrir uma empresa para aprimorar ainda mais o projeto. Assim nascia, em 1977, a Apple Computer.

O Apple não era, entretanto, algo pioneiro. O uso, por exemplo, do mouse e a interface gráfica já haviam sido usados anteriormente pela empresa Xerox no computador para uso pessoal "Xerox Alto" (lançado em 1973). Foi o primeiro minicomputador a adotar o princípio de uma área de trabalho e uma interface gráfica para o usuário. A idéia do mouse havia sido concebida pelo pesquisador Douglas Engelbart, no Stanford Research Intitute. Dele também nasceu a idéia que culminaram na criação do hipertexto e as interfaces gráficas. Porém, o Alto não foi idealizado como um produto de fabricação em larga escala e nunca se tornou comercializável nesse sentido. As grandes empresas como IBM, Xerox e outras não acreditavam na popularização dos computadores para usuários domésticos e não se interessavam em fabricar esses equipamentos a ritmo industrial. O mérito de Jobs se deve a ambição em colocar o computador nos lares de cidadãos comuns e por isso geralmente atribui-se a ele a invenção do mouse, o que trata-se de um erro.

Não levou muito tempo para as empresas perceberem que estavam perdendo um nicho importante no mercado com a ascensão da Apple e decidiram correr atrás do tempo perdido buscando produzir melhores computadores.

Em 1980, a IBM decidiu entrar no setor e planejou fabricar um microcomputador que superasse o Apple II da Apple, que havia sido lançado em 1977 durante uma feira de informática, fazendo um enorme sucesso.

A IBM então criou o hardware do computador para concorrer com o Apple, porém precisava de um sistema operacional para que ele e os programas pudessem funcionar. Contratou então uma outra empresa, a Microsoft para criar um sistema operacional que fosse compatível com o seu projeto. Bill Gates compra, então, por 50 mil dólares, os direitos de um sistema operacional quase pronto, que não tinha muito poder de processamento e nem muita memória, desenvolvido por outros universitários e fazendo algumas modificações, entregou-o para a IBM, que por sua vez lançou o IBM PC em 1981.

Enquanto isso em um centro de pesquisa da Xerox, o Apple ganha vários caprichos tecnológicos, sendo dotado de mecanismos que facilitam em muito o uso dos computadores por pessoas leigas em informática. A partir disto a Apple cria os projetos do Macintosh e do Lisa, dois sistemas que teriam um interface gráfica multicolorida, elegante e repleta de recursos. É assim que se popularizou a interface gráfica, o uso de ícones que era ativados através do mouse e seu famoso ponteiro que podia ser guiado no monitor para a execução das mais diversas tarefas.

A ascensão da Microsoft começa a tomar forma quando Bill Gates, enxergando o futuro promissor do Macintosh e a ameaça aos seus negócios, convida a Jobs a formar uma parceria no projeto do novo computador da gigante IBM. Gates conseguiu convencer Jobs e numa jogada desleal e maliciosa copiou a interface gráfica do Macintosh, lançando uma versão quase idêntica no Japão, antes mesmo do lançamento oficial do sistema da Apple. O fato fez Jobs romper a parceria e abrir uma concorrência acirrada com a Microsoft. Mas já era tarde. A Microsoft havia chegado antes com sua cópia descarada do Macintosh e conquistado uma fatia gorda do mercado. Quando o Macintosh enfim deu as caras, encontrou um mercado já abocanhado pela rival que copiou o seu sistema.

Acerca do assunto, vale a pena assistir o filme "Piratas do Vale do Silício". O filme documenta o nascimento do primeiro PC e a histórica rivalidade entre a Apple e a Microsoft.

No meio dessa briga de gigantes é que foi desenvolvido o Unix, cuja origem vem do aprimoramento de um outro sistema projetado durante a década de 1960 - o Multics. Esse projeto era realizado pelo Massachusets Institute of Technology (MIT), pela General Eletric (GE) e pelos laboratórios Bell (Bell Labs) e American Telephone na Telegraph (AT&T). A intenção era de que o Multics tivesse características de tempo compartilhado (vários usuários compartilhando os recursos de um único computador), sendo assim o sistema mais arrojado da época. Em 1969, já existia uma versão do Multics rodando num computador GE645.

Ken Thompsom era um pesquisador do Multics e trabalhava na Bell Labs. No entanto, a empresa se retirou do projeto tempos depois, mas ele continuou seus estudos no sistema. Desde então, sua idéia não era continuar no Multics original e sim criar algo menor, mas que conservasse as idéias básicas do sistema. A partir daí, começa a saga do sistema Unix. Brian Kernighan, também pesquisador da Bell Labs, foi quem deu esse nome.

Em 1973, outro pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, rescreveu todo o sistema Unix numa linguagem de alto nível, chamada C, desenvolvida por ele mesmo. Por causa disso, o sistema passou a ter grande aceitação por usuários externos à Bell Labs.

Entre 1977 e 1981, a AT&T, alterou o Unix, fazendo algumas mudanças particulares e lançou o System III. Em 1983, após mais uma série de modificações, foi lançado o conhecido Unix System IV, que passou a ser vendido. Até hoje esse sistema é usado no mercado, tornando-se o padrão internacional do Unix. Esse sistema é comercializado por empresas como IBM, HP e Sun. Custa muito caro, sendo usado em computadores poderosos (como mainframes) por diversas multinacionais. Apesar do preço trata-se de um sistema extremamente eficiente, confiável e seguro.

É nesse contexto que entra em cena o Minix. Ele foi criado originalmente para uso educacional, para quem quisesse estudar o Unix "em casa". No entanto, vale citar que ele foi escrito do "zero" e apesar de ser uma versão do Unix, não contém nenhum código da AT&T e por isso pode ser distribuído gratuitamente.

A partir daí, Linus Torvalds surge na história como um estudante de Ciências da Computação da Universidade de Helsinki, na Filândia e em 1991, por hobby, Linus decidiu desenvolver um sistema mais poderoso que o Minix. Para divulgar sua idéia, ele enviou uma mensagem a um grupo pela Usenet (uma espécie de antecessor da Internet). No mesmo ano, ele disponibilizou a versão do kernel (núcleo dos sistemas operacionais) 0.02 e continuou trabalhando até que em 1994 disponibilizou a versão 1.0. Estava nascendo o Linux.

O Linux é um sistema operacional livre, carrega diversas semelhanças com o Unix, mas não tem ligação com nenhuma empresa privada e foi escrito de outra forma.

Linus Torvalds, quando desenvolveu o Linux, não tinha a intenção de ganhar dinheiro e sim fazer um sistema para seu uso pessoal, que atendesse suas necessidades. O estilo de desenvolvimento que foi adotado foi o de ajuda coletiva. Ou seja, ele coordenou os esforços coletivos de um grupo para a melhoria do sistema que criou. Hoje milhares de pessoas contribuem gratuitamente com o desenvolvimento do Linux, simplesmente pelo prazer de fazer um sistema operacional cada vez melhor.

O poder do Linux está exatamente nesse ponto. Seu código-fonte é aberto para quem quiser saber como ele funciona. Por ser aberto todos podem acrescentar melhorias e corrigir falhas. Trata-se do sistema mais democrático que existe, sendo absolutamente útil e juridicamente legal desde a uma pessoa de idade até para uma criança e tantos outros que possivelmente nunca lerão uma EULA de um sistema proprietário para saberem se estarão infringindo a lei ou não. Qualquer pessoa descobrirá que instalar uma versão do Linux em seu computador é mais fácil que fazer café numa cafeteira elétrica; a instalação de programas pode ser feita com 3 cliques e a configuração da maioria dos dispositivos é completamente automatizada.

Apesar de tudo que você já ouviu, o Linux é um sistema na medida para você. Não é um sistema operacional super complexo como muitos alegam, é tão amigável quanto qualquer outro sistema operacional que você possa ter usado. Ele é usado em milhões de computadores em todo o mundo. As vantagens são muitas. Observe:

Liberdade

Empresas como a Dell, Asus e Acer produzem regularmente computadores que utilizam o Linux para uso do consumidor. Além disso, empresas como a Google e IBM utilizam Linux em seus ambientes corporativos. Linux funciona na maioria dos servidores que armazenam as páginas web que formam a Internet. Isso é porque é um sistema que oferece total liberdade de instalação e ao mesmo tempo oferece garantia de que o computador que ele estiver instalado irá operar perfeitamente, de forma estável e sem dor de cabeça, durante todo e qualquer o momento que estiver em funcionamento. A maioria das distribuições Linux são notoriamente confiáveis e os computadores com Linux instalado poderiam funcionar durante meses e anos sem precisarem serem sequer reiniciados.

Segurança

Os pontos fortes do Linux são a sua estabilidade e seu ciclo de desenvolvimento rápido. Você provavelmente nunca ouviu a respeito de acidentes com computadores Linux, nem que ele vai ficar para trás do ponto de vista tecnológico. Linux oferece uma experiência de desktop limpo, eficiente e moderno.

Estabilidade

Linux também dá ao cliente um computador utilizável para modelos com mais de uma década de idade. Você pode ter um Compaq ou Hewlett Packard com Linux instalado e funcionando novamente, para o trabalho escolar do seu filho ou pesquisar na Internet, entre uma série de outras atividades.

Gratuidade

Os recursos que nós desejamos ter em nossas máquinas modernas são facilmente disponíveis com o Linux. Você gosta de assistir filmes? Você gosta de ouvir músicas? Você conversa com amigos ou com a família através de mensagens instantâneas ou e-mail? O Linux tem todos esses recursos. Você não precisa mudar de sistema para ter acesso a esses recursos.

Variedade

A maioria dos grandes programas estão disponíveis para Linux, como o Firefox e o Thunderbird, e quando não existem alternativas que na maioria dos casos são melhores, como o revolucionário tocador de áudio Amarok ou o cliente de e-mail Evolution. Além de tudo isso, seu telefone ou sua televisão podem estar executando uma versão do Linux agora sem você saber. Centenas e centenas de aparelhos, de telefones celulares a câmeras de segurança, usam o Linux para operar.

Futuro

Por que o Linux é tão popular entre os eletrônicos? É porque o Linux é livre, bem desenvolvido, e qualquer indivíduo ou organização pode remover o que eles não querem ou precisam, e adicionar o que desejam. Linux é liberdade de usar o hardware como quiser, sem nenhum custo financeiro para você. É a melhor maneira de usar computadores. Linux é o futuro.
Conclusões finais
O Linux será sempre gratuito e não existe custo extra para as versões de upgrade. Trata-se de ter sempre disponibilizado o melhor produto sob os mesmos termos de liberdade de uso.
O Linux oferece suporte gratuito e eficiente em centenas de idiomas em milhares de sites, blogs e publicações profissionais de todo o mundo. Cada distribuição do Linux conta com atualizações gratuitas de segurança durante meses e até anos depois de um lançamento.
O Linux inclui a melhor infraestrutura de suporte a traduções e acessibilidade que qualquer outro sistema têm para oferecer, de forma que trata-se do sistema mais acessível e usável ao maior número possível de pessoas do planeta.
Se o Linux é tão bom, e de graça, por que ele domina uma fatia tão pequena dos computadores?
Linux é uma grande e excelente alternativa para o Windows e Mac OS. Muita gente apesar de já ter ouvido falar, não conhece as vantagens do Linux. Isso acontece porque o Linux não disponibiliza de um montanha de dinheiro para fazer propaganda. Linux é um sistema operacional livre e surpreendente. Não existe uma determinada empresa ou indivíduo que está no controle de todo o projeto. Ele é desenvolvido por indivíduos, grupos e empresas.
Ao explicar o conceito do Linux que é completamente grátis, as pessoas geralmente não acreditam nisso. Elas se perguntam se isso é verdade. Linux vem em uma enorme variedade de distribuições. Você pode escolher um sistema operacional livre que satisfaça suas necessidades. Você pode fazer qualquer coisa que você faria no seu computador Mac ou Windows. Existem milhares de aplicativos gratuitos para instalar. Não importa se você é um amador ou um profissional, Linux é ideal para você.
A maioria de nós sabe que uma empresa que controla 90% do mercado mundial de qualquer coisa não é bom para ninguém. No caso de sistemas operacionais, não é bom para a inovação, os consumidores e os preços. É por isso que quem usa e conhece o Linux não troca ele por nenhum outro sistema operacional, pois sabe que ele é melhor.